Tags: top 5

TOP 5 – Coisas que são tão 2014

O ano mal chegou e nós já estamos em Fevereiro! Pra começar o mês com esse climinha de nostalgia, vamos rever 5 coisas que são muito 2014, e que muito provavelmente continuarão no nosso 2015.

  1. Listas e Tops – Pois é, mas desculpa aê, vou continuar fazendo, se reclamar vai ter TOP 10.
  2. Autoplay – Uma das coisas mais chatas que começou no Facebook em 2014 e está invadindo todos os vídeos na internet.
  3. WhatsApp – Ninguém aguenta mais os grupos das famílias e as corrente e piadas repetidas de sempre. Agora o app de conversa instantânea que está ganhando o mercado é o Viber.
  4. Ostentação – Do Funk a Roupa de marca, nada presta nessa moda da Ostentação. Por favor, parem! Agora a moda é a sofrência.
  5. Pau de Selfie – Acho que nem precisa explicar muito.. Mas infelizmente essa moda está apenas começando e ainda vai rolar muito pau de selfie nas próximas festas que a gente for.
Comente

Top 5 – Viagens

Os filmes dessa semana reúnem 5 viagens que mudaram seus personagens. Uns encontraram o amor de suas vidas, uma menininha acabou entrando em um universo paralelo e já outro conheceu Elvis Presley. Já sabem quem são eles? 

   

5 – Antes do Amanhecer (1995)









A história de Celina e Jess encanta qualquer um que tenha um pouquinho de coração. Os jovens se conhecem em um trem para Praga e é amor à primeira vista. Eles decidem então descer em Viena e conhecer a cidade antes de pegar o primeiro trem da manhã seguinte. Ethan Hawke e Julie Delpy estão perfeitos como casal, a química entre eles é enorme e, para nossa felicidade, continua a mesma depois de mais dois filmes, Antes do Pôr-do-Sol e Antes da Meia-Noite. O diálogos são ótimos e bastante espontâneos, você parece estar mesmo mergulhado na história do casal. Que a parceria entre os atores e diretor ainda durem muitos filmes!

4 – E sua Mãe Também (2001)







Dirigido por Alfonso Cuáron (Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban) e ícone do cinema mexicano. Dois adolescentes decidem viajar após a partida de suas namoradas para um intercâmbio na Europa. Eles conhecem Luisa Cortés, em seus 20 e poucos anos, e a convencem de acompanhá-los até a praia Boca del Cielo, que na verdade não existe. O mais legal do filme? É latino, é divertido e Cuáron sabe brincar com as obsessões adolescentes ao retratar a passagem da adolescência para a vida adulta. Ah, e tem Gael Garcia (Diários de Motocicleta) super novinho!

3 – A Viagem de Chihiro (2001)









Chihiro, uma menina de 10 anos, é atirada em um mundo fantasma governado por deuses e bruxas; e onde seus pais foram transformados em porcos. Ela deve descobrir uma maneira de encontrar suas lembranças, salvar seus pais e sair da cidade, ou então será escrava da bruxa para sempre.A animação acaba funcionando como um Alice no País das Maravilhas, mas talvez menos psicodélico, porém não menos construtivo e bonito visualmente.


2 – Viagem à Darjeeling (2007)








Após o funeral de seu pai, três irmãos viajam de trem pela índia com o objetivo de se re-aproximarem. Eles passam por vários perrengues, rituais indianos e funerais na tentativa de reconciliação. Wes Anderson não é um diretor que agrada todo mundo. Personagens excêntricos, fotografia colorida, enquadramento minunciosamente estudado, roteiro longe de ser normal e sua visível predilação por alguns atores são marcas de seus filmes, como Os Excêntricos Tenembauns e O Fantástico Sr. Raposo. O trabalho mais recente do diretor não é diferente, ou você ama ou você odeia. Mas vale a tentativa. 

1 – Forrest Gump (1994)

Ninguém nunca conheceu tantos países e participou de tantos momentos marcantes da história mundial como Forrest Gump, um rapaz com QI abaixo da média, cheio de boas intenções e que adora contar suas histórias. Conta-se que a única exigência de Tom Hanks era de que o filme fosse extremamente fiel à história dos EUA. Por isso todos os nomes citados tem conexão com a realidade. A imagem do ator foi incorporada às filmagens originais dos eventos e o resultado é ótimo! Guerra do Vietnã, Elvis Presley, Klu Klux Klan, John Kennedy … Forrest viu de tudo! Acompanhar as histórias desse rapaz simpático e ingênuo é um verdadeiro passeio pela história. Run, Forrest, run!








Comente

Top 5 – Remakes que deram certo


De uns tempos pra cá, a palavra remake se tornou sinônimo de fracasso e a criatividade de Hollywood foi indo pelo ralo. Temos muitos remakes que são melhores que os originais, é verdade. Mas eles nem sempre são garantia de sucesso para a indústria. Eles serão comparados ao seu antecessor e exigido mais em sua produção devido à evolução da tecnologia nas filmagens. Em outras palavras, se espera que eles sejam uma evolução de seu original, e não uma cópia shot-for-shot (vide Psycho de Gus Van Saint). A produção de remakes é sempre um passo ousado e apenas alguns obtiveram sucesso e reconhecimento.


5 – A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005)

A versão de Tim Burton de A Fantástica Fábrica de Chocolate foi lançada 33 anos depois da primeira versão e obteve êxito onde o original falhou. O avanço tecnológico permitiu que muitas passagens do livro de Roald Dahl ganhassem vida em 2005. O que faz da quarta parceria de Burton com Depp a versão mais fiel ao livro, tanto em relação à trama, como na construção dos personagens. Era necesário alguém com a visão e imaginação de Tim Burton para capturar a atmosfera mágica e fantástica presente na obra de Roald Dahl. Ah, e eu já falei que é com o Johnny Depp?!


4 – Onze Homens e um Segredo (2001)


George Clooney, Brad Pitt, Matt Damon, Julia Roberts, Andy Garcia, Casey Affleck, Elliott Gould e Don Cheadle… Só o elenco já vale o filme! Com roteiro e direção mais ágil, o resultado foi um remake mais divertido e leve que seu original. A versão de 1960 focava na história dos personagens e nos motivos pelos quais eles precisavam tanto do dinheiro, a atmosfera era mais densa nesse retrato do pós-guerra. O sucesso de público do remake foi tão grande que virou trilogia e hoje é conhecido pela combinação de heist filmscom art films.

3 – Quanto Mais Quente Melhor (1959)


Gangsters com meias-calças, vestidos e seios falsos divertem o público ao fugir de uma gangue ao se disfarçar como musicistas da banda de Sugar Kane, a Marylin Monroe em seu auge. A versão alemã de 1951 destacava a tensão da perseguição dos gangsters e atmosfera da era da depressão estaduniense. Seu remake é mais hilário e os diálogos e situações se tornaram clássicos e são relembradas até hoje nas comédias americanas. Estão lembrados de As Branquelas?

  2 – Perfume de Mulher (1992)


A versão italiana de 1974 já tinha sido um sucesso. O protagonista, Vittorio Gassman, venceu várias premiações e o filme foi indicado ao Oscar na categoria de melhor filme estrangeiro. Já a versão de 1992 foi indicada na categoria de melhor filme e garantiu à Al Pacino o Oscar de melhor ator. O roteiro é bem parecido, um se passa em Nápoles e Roma e outro em NY. Mas o remake ganha pelo carisma e intensidade do protagonista. Hoje, a cena do tango virou clássica e a trilha sonora, um símbolo. E a atuação de Al Pacino é apontada como uma das mais geniais e marcantes do cinema. Hoo-wah!

1 – Os Infiltrados (2006)



Martin Scorcese combinou um elenco de jovens atores bonitões (e daqueles que sabem atuar de verdade!) com artistas já renomados em um roteiro afiado baseado na versão original chinesa de 2002 para finalmente ganhar seu primeiro e merecido Oscar de melhor diretor. Alguns aspectos foram melhorados em relação ao original, que é reconhecido como sendo tão bom quanto seu remake. Mas a versão com Leonardo DiCaprio e Matt Damon tem elementos que viraram referência, como alguns diálogos e a trilha sonora marcante… Então palmas para Scorcese que conseguiu melhorar ainda mais o filme e, de quebra, faturar 4 Oscars!
Comente

Os professores que não merecem homenagem

Seu professor passou 3 livros para serem lidos e fichados em 24 horas. Sua professora chegou com prova surpresa de cálculo. Aquele trabalho que te custou 173648h pra fazer, no final só valeu 0,2 décimos. O orientador disse que metade do seu projeto é inútil. A vida de estudante pode ser bem difícil, a gente sabe. E alguns professores simplesmente não facilitam nossa vida. Mas pensemos pelo lado positivo: poderia ser pior. Seu professor de Química poderia ser um super traficante de drogas que encomendou sua morte. Viu? Perspectiva. Todo mundo homenageia os professores na semana em que se comemora seu dia, mas por aqui nós vamos lembrar dos piores. Só pra não esquecer que na ficção tem professor pior que o da aula de amanhã. E para começar a lista temos…
5 – Valerie, Awkward
A Valerie é uma boa pessoa, a gente sabe. Ela é fofa, tem boas intenções, se importa com os alunos. Mas ela é simplesmente péssima nos conselhos e orientações. E, voada, entende tudo errado, toma umas decisões meio equivocadas, coloca a Jenna numas confusões… Sem falar que, ela, que deveria ser a voz da razão e sensatez, é às vezes mais imatura do que os adolescentes que deveria ajudar. Desculpa, Val, você é ótima, mas não como educadora.
4 – Sue Sylvester, Glee
A Jane Lynch é ótima e divertidíssima, mas a Sue é um pesadelo. Se houvesse um título de “maior bully da escola McKinley”, Sue com certeza ganharia [e sem grandes competições]. Ela humilha os alunos, chantageia e manipula outros professores, e não mede esforços para conseguir o que quer e derrubar o Glee club. Não merece nem um parabéns falso e sem graça no facebook.
3 – Severo Snape, Harry Potter

Eu sei que no final a gente descobriu que o Snape era super leal e corajoso e tudo mais, mas lembra que ele era um professor terrível? Era um gênio em poções, mas não gostava de lecionar a matéria. Ele tirava pontos de quem acertava perguntas e preparava as poções corretamente [tadinha da Hermione…]! As aulas de Poção eram uma verdadeira tortura psicológica para todos que não fossem da Sonserina. E mesmo no curto período em que ensinou a matéria que queria, Defesa Contra as Artes das Trevas, ele ficou tão preocupado em desmascarar o Prof. Lupin que nem se importou pro conteúdo… A gente entende por que o Snape é o seu bicho papão, Neville.

2 – Señor Chang, Community
Ninguém na universidade comunitária de Greendale é muito exemplo de profissionalismo. A universidade tem os professores mais malucos e sem noção [a Betty White que bebia xixi, o Tony Hale que tinha implicância com Ghost, o professor ex-presidiário…], mas o Chang supera todos. Ele só foi professor por uma temporada, mas ele foi tão, tão ruim, que seu lugar na lista estava garantidíssimo desde o primeiro rascunho. O Chang era professor de espanhol sem nem possuir as qualificações para isso, odiava todos os estudantes de Greendale, alguns professores e até mesmo o reitor. E nunca precisou de motivo para humilhar, perturbar e abusar seus alunos. Um completo psicótico. Pobres alunos que por anos pagaram Spanish 101 com o doido do Chang.
1 – Miss Trunchbull, Matilda
Matila é um desses filmes que passam 3 vezes por ano na Sessão da Tarde e mesmo assim eu vejo todas. Desde criança sou fã da menina com poderes telecinéticos e morro de medo da Miss Trunchbull. Essa mulher faz parte a minha memória afetiva como uma das maiores vilãs da história. Miss Trunchbull me dá arrepios até hoje. Ela odiava crianças. Então era má e cruel e as torturava. Como esquecer a cena em que ela faz um pobre menino comer sozinho o maior bolo de chocolate do mundo inteiro? Se você nunca viu o filme eu não quero ser sua amiga, acredite, é perturbador. E é por isso que ela é o primeiro lugar.  

E pra vocês, que outros professores da tv e do cinema não merecem um “Feliz Dia do Professor” no dia de hoje?

Comente

Top 5 – Não quero crescer

O Top5 dessa semana reúne persongens na confusa transição da infância para o mundo adulto. São adultos-criança e crianças querendo ser adultos, brigas com os pais, novas descobertas e o medo de crescer. Nunca se sabe ao certo quando nós devemos deixar de ganhar presentinhos no dia das crianças e os filmes dessa semana refletem bem esse momento. E, por se tratar de um tema universal, eles nunca vão ser velhos ou antiquados. Essa é a melhor parte.

5 – Um Grande Garoto (2002)

Baseado no best-seller britânico de Nick Hornby, About a Boy conta a história de Will (Hugh Grant), um cara imaturo de meia idade e de vida fácil que finalmente aprende a ser adulto com a ajuda de Marcus (Nicholas Hoult – o Tony de Skins!), um garoto de 12 anos cheio de problemas em casa e na escola. Nicholas Hoult, aqui em seu primeiro filme, encanta como menino estranho e maduro para sua idade. Grant não está muito diferente de seus outros papéis, mas não menos divertido e sarcástico. O final é diferente do livro, mas funciona muito bem com o resto da trama. Um clássico das tardes de sábado na TNT! E se tem salvação pro Will, há esperança para todos nós. Afinal, no men is an island.

4 – Quero Ser Grande (1988)

Se você achava que o roteiro de De Repente Trinta era original, é porque você não conhecia esse filme com Tom Hanks. Josh, um garotinho, deseja ser grande em uma máquina de parque de diversões. Na manhã seguinte ele acorda no corpo de um adulto e é expulso de casa pela mãe que não o reconhece. O jovem Josh finalmente aprende que tudo tem mesmo o seu tempo. Conta com a antológica cena em que Tom Hanks toca um piano gigante em uma loja de brinquedos. Muito melhor que esse filme de Jennifer Garner, pff!

3 – Curtindo a Vida Adoidado (1986)

John Hughes transformou a história de um grupo de amigos que decide tirar um dia de folga da escola na obra máxima adolescente dos anos 80. Ferris Bueller parece só quer mesmo adiar os compromissos por um tempo e se divertir mais antes que a vida adulta chegue. O filme tornou-se um marco, uma mensagem de carpem diem moderna, inspirando jovens à aproveitar mais de seu tempo. É como diz Ferris Bueller: a vida anda muito rápido, e se não pararmos para aproveitá-la, podemos perdê-la.

Ah, e tem a cena clássica do Ferris cantando Twist and Shout no desfile, filmada durante uma parada de verdade.  

2 – Em Busca da Terra do Nunca (2004)

James Barrie (Johnny Depp) transformou a sua convivência com quatro garotos que tinham perdido o pai em clássico infantil, o famoso Peter Pan. Barrie, já consagrado autor de peças, nunca deixou seu espírito de criança do lado, e se viu como o próprio Peter Pan ao conhecer essas crianças. É incrível como o lúdico do imaginário e das brincadeiras entre eles são entrelaçadas com a realidade no filme. Fica fácil acreditar na Terra do Nunca e na importância de resgatar nossa criança interior. Lindos diálogos, trilha sonora maravilhosa e direção de arte de encher os olhos.

Atenção pra cena do Freddie Highmore após a apresentação de sua peça. É de ficar de boca aberta com a atuação do menino. E alguém, por favor, me explica porque Depp não levou o Oscar naquele ano!

1 – Juventude Transviada (1955)

James Dean só atuou em três filmes antes de morrer em um trágico acidente de carro e se transformou em ícone de uma geração inteira. Calças jeans, camisa branca e jaqueta se tornaram o uniforme dos adolescentes da época. Juventude Transviada foi o filme mais marcante de sua carreira e até mesmo Elvis Presley, ídolo dessa geração, sabia os diálogos de cor!

Os três protagonistas são adolescentes sensíveis e se sentem esmagados pela relação com os pais. Os atores dão tudo de si, como se entendessem os conflitos internos de seus personagens. O próprio Dean fazia muitas improvisações geniais, como a do início do filme – vocês estão me destruindo. O resultado é um dos melhores filmes já realizados sobre as dúvidas da juventude.

  

E vocês, o que acharam dos filmes? Faltou algum? (:
Comente