Tags: games

Font Nerd desafia a Nerdice do Design que existe dentro de você

O desafio proposto pelo App Font Nerd  é que você descubra o nome da fonte apenas olhando pra ela. O game, inicialmente lançado para a plataformas iOS foi criado pelo designer dinamarquês Andreas M. Hansen, e ainda conta com o patrocínio do site MyFonts.com – renomado site de download/compra de fontes.

Os usuários podem escolher analisar as Fontes em caixa alta ou baixa. Se o jogador souber a resposta podem digitar de cara ou se estiver em dúvida o game dá cinco alternativas, com três chances de acertar.
O download é gratuito mas para jogar todas as fases é preciso pagar US$ 0.99 🙁

Comente

Um joystick, um violão e muita criatividade!

Desde 2011 um projeto bem humorado que mistura música, humor e games rola no canal Marcos Castro do Youtube (o mesmo que já foi citado aqui no MD com a ótima Lenda do Herói, que inclusive já está em sua terceira parte).
Um Joystick, Um violão é um projeto que, apesar de ser voltado para um público gamer e nerd, faz sucesso também com demais públicos. A criatividade é ponto mais forte desse projeto hilário e é praticamente impossível não gostar. Abaixo você pode conferir a primeira paródia intitulada New Aquarela (baseada na famosa Aquarela de Toquinho) e a excelente Dragon Quest Caboclo (baseada no clássico do rock nacional Faroeste Caboclo):

Para visualizar os demais vídeos basta clicar nos links no início dessa postagem. E aí, você também se garante em criar paródias tão criativas quanto estas?
Comente

Mortal Kombat e o legado de um fã

(ATENÇÃO: O TEXTO A SEGUIR NÃO POSSUI SPOILERS!)
Mortal Kombat é uma das franquias de maior sucesso no mundo dos games, afinal, não se sobrevive mais de 20 anos se não tivesse algo especial. Além disso, junto da franquia Street Fighter, ela foi responsável por uma das maiores rivalidade no mundo dos games até hoje. Mas apesar de seu sucesso no mundo dos games (são cerca de 15 títulos em pouco mais de 21 anos), as obras da franquia de Ed Boon e John Tobias nas telonas e nos seriados sempre deixaram muito a desejar. Após colecionar diversos fracassos, eis que surge uma luz no fim do túnel, eis que surge Kevin Tancharoen.

Kevin Tancharoen (Fonte da Imagem)

Em 2010, o ainda desconhecido Kevin Tancharoen teve a brilhante e audaciosa idéia de contar a história de Mortal Kombat de uma maneira improvável de se imaginar, na esperança de salvar os absurdos que já pudemos ver no que diz respeito a títulos dos games que foram transportados para as telonas. Apesar de ser considerada por muitos a franquia de games com menos absurdos na grande tela dos cinemas (ninguém merece os Street Fighters e outros títulos que já foram lançados), ela ganhou uma versão com cerca de 7 minutos se muita ação, mas com a idéia de tentar tornar a fantasia um pouco mais realista. Com o nome de Mortal Kombat: Rebirth, o curta-metragem agradou aos chefões da Warner Bros (atual dona da marca) e eles nomearam Kevin como o diretor da websérie Mortal Kombat: Legacy. A série iria abordar Mortal Kombat de acordo com o universo criado por Kevin (ou seja, nada de ser apenas um torneio maluco pra salvar o planeta Terra).
A primeira temporada de MK: Legacy foi ao ar em 11 de abril de 2011, no canal Machinima. Com um total de 9 episódios, logo foram cogitadas possibilidades de uma nova temporada acontecer (algo que será mostrado mais abaixo). Particularmente, gostei muito de todos os episódios. Mas se tivesse que escolher um escolheria o sexto episódio. Nele, o personagem Raiden é apresentado de uma maneira “bem realista” e totalmente impossível de se imaginar até então.
Já a segunda temporada de MK: Legacy foi ao ar com todos os 10 episódios em Setembro deste ano. Com novos e antigos personagens, a série continua mostrando uma nova abordagem para a vida dos personagens. E, como não poderia mudar tanto, eis que surge o torneio. Confesso que assisti a todos os episódios e o resultado é muito bom. Mas confesso que ainda não tenho um episódio favorito. Vou deixar aqui o trailer da segunda temporada para dar um gostinho de quero mais em vocês:
Sem dúvida alguma, Kevin Tancharoen foi alguém que deu orgulho aos fãs da franquia. O legado por ele criado é digno de perdurar ao longo dos tempos e serve de inspiração para que outros fãs de franquia de games tentem criar obras para mostrar do que seu título preferido é capaz.
Ah, uma coisa que posso adiantar é que haverá (se Deus quiser – e tomara que ele queira!) pelo menos uma terceira temporada, já que a segunda temporada não tem um final propriamente dito. Caso você tenha se interessado em assistir as duas primeiras temporadas de Mortal Kombat: Legacy, basta clicar aqui (para a primeira temporada) ou aqui (para a segunda temporada). Após assistir, compartilhe conosco sobre o que achou dessa websérie, beleza?
Comente

GTA V: Landscapes incríveis que você só descobre jogando

Passado o lançamento do game GTA V (Grand Theft Auto V), o preciosismo diminuiu, os ânimos ficaram menos exaltados, mas a obra prima da Rockstar Games continua sendo desbravada. Todos os dias, são postados gameplays e screen shots de lugares, paisagens, lojas, etc. Enquadramentos diferenciados, são feitos graças a função que o próprio jogo te proporciona de fotografar com celular dos personagens (Michael, Trevor e Franklin) os lugares que o player quiser, até a função de tirar um ‘self portrait’ com os personagens, o que faz essa franquia ser ainda mais genial.

Segue o link do Flickr dos caras, é atualizado com novas screens a todo tempo, só pintura:
flickr/LandscapesOfLosSantos

Eaí, bateu a vontade de comprar um Ps3/CaixaX só pra jogar?
Não vejo a hora de sair o PS4 pra baratear o velho, rs.

Comente

Fatiando o tempo com Slice it!

Sabe aqueles dias em que as horas não passam, aquele trânsito completamente parado, uma fila interminável no banco e você no ápice do tédio? A dica de hoje vai fazer você implorar por momentos “tediosos” no seu dia.

Slice It! é um Casual Game feito em 2010 pela Com2uS para Android e para iOs que de tão simples e bem elaborado, se torna extremamente viciante. Ao olhar pela primeira vez, antes mesmo de realizar o download, a primeira impressão transmitida é que é um jogo infantil pelo design de seu ícone. Após instalado, a impressão continua a mesma ao abrir o jogo e deparar-se com uma infantilizada tela de loading. Mas ao chegar ao menu principal, toda aquela abordagem infantilizada, com ilustrações que lembram desenhos feitos com lápis de cor em cadernos se transforma no charme do jogo. Tudo muito colorido, muito bem disposto na tela e facilitando o entendimento de como funciona o jogo. Esse é um dos pontos mais positivos do jogo: o design.

Mas nem só de beleza vive o Slice It!. Os objetivos do jogo são outro ponto forte. O jogo possui dois modos: o normal e o quick mode. Em ambos seu objetivo principal é “fatiar” os objetos/figuras geométricas que aparecem desenhados na tela. Para fazer isso, basta deslizar o dedo de um lado a outro da tela (exatamente como no famossíssimo Fruit Ninja). Existe ainda a possibilidade e utilizar  Multitouch para auxiliar nas ações dos jogadores. A diferença deste jogo (em relação ao Fruit Ninja) é que não basta você sair movendo freneticamente seu dedo para fatiar tudo que aparece na sua frente. Aqui você deve fatiar simetricamente os objetos, ou pelo menos, o mais próximo disto. De estágio para estágio, você pode ter mais ou menos “lápis” (chances) para fatiar, e mais ou menos pedaços para deixar em seu “caderninho”. Já no Quick Mode a diferença é que você deve fazer tudo isso no menor tempo possível (óbvio, né?).


Com cerca de 200 estágios e mais alguns no Bonus Mode (que é destravado na medida que Easter Eggs são encontrados durante o desenrolar do jogo), o mais legal desse jogo não é concluir todos os estágios com 5 estrelas. O mais legal (e mais difícil) é “perfectá-lo” 100% ( fui longe nessa o/ ). Esse é meu mais novo vício no que diz respeito a jogos casuais e aposto que se vocês derem uma chance a Slice It!, também será o novo vício de vocês.

Comente