Tags: entrevista

MD Entrevista: Gabriel Jardim

Dois mundos diferentes entram em conflito dentro de um elevador. Com essa premissa, Gabriel Jardim apresenta seu novo projeto. De Dentro Da Couraça traz dois personagens completamente distintos que, estando presos num mesmo espaço, terão que enfrentar a personalidade um do outro.

Este é o segundo trabalho de Gabriel Jardim pelo Catarse. Café, seu primeiro HQ, foi bem sucedido e financiado em 2014 com mais de duzentos apoiadores. Assim como em Café, neste novo quadrinho Gabriel traz uma história cotidiana, só que mais próxima do real. Conversamos com ele sobre este novo projeto e suas expectativas.

De Dentro Da Couraça, por Gabriel Jardim

De Dentro Da Couraça, por Gabriel Jardim

Por que o nome “De Dentro Da Couraça”?

Porque é onde acontece a história. O elevador como uma couraça, mas não só o elevador, eles também. É uma história de desabafos, eles são couraças que guardam seus pensamentos e frustrações.

Fale um pouco da história

É mais uma história de cotidiano. Nela, um cara está bebendo com os amigos num clima caloroso. Em contrapartida, uma bailarina que se mostra triste está se preparando para um espetáculo. Eis que os dois terminam por se encontrar no elevador e ficam presos nele. A partir de então, seus mundos diferentes entram em conflito.

O que lhe inspirou a escrever está história?

Alguns acontecimentos e reflexões que eu tive de verdade. Não vou aprofundar pra não dar spoiler, haha. Mas diferente de Café, que eu parei pra criar uma história do nada, essa saiu de dentro da minha couraça.

Página colorida em aquarela, por Gabriel Jardim

Página colorida em aquarela, por Gabriel Jardim

“Café” influenciou nesse novo trabalho?

Sim, porque foi a primeira experiência. Se eu evolui foi só porque comecei meu aprendizado com ele. E até tem alguns easter eggs dele no DDDC.

Quais são suas expectativas para este projeto?

Espero atingir mais pessoas e fazer com que elas se identifiquem ainda mais com essa história do que se identificaram com Café.

Fale sobre as recompensas para quem apoiar o projeto

As recompensas começam desde a versão PDF da HQ, até receber ela impressa autografada junto com cartões postais, sketches aquarelados, páginas originais e o nome creditado nos agradecimentos. Variam de acordo com o valor investido, lá tem tudo separado e explicadinho.

Deixe suas considerações finais

Convido todo mundo a conhecer o projeto e espalhar a palavra. Acredito que quem gostou do Café vai gostar ainda mais do DDDC. Um grande abraço a todos.

 

Ficou curioso? Então conheça mais sobre o projeto no site do Catarse. E você pode falar com Gabriel pelo email gabriel_jfs@hotmail.com.

Comente

Quadrinhos na Paraíba


E o tema de hoje é: quadrinhos! Mas não especificamente aqueles conhecidos nacionalmente e internacionalmente que nos acompanharam na infância, como “A turma da Mônica” e os tantos de superheróis. Saindo um pouco do foco da produção de quadrinhos das regiões sul/sudeste, subimos até o nosso estado, a Paraíba, que já tem uns bons anos de tradição na bagagem.

Há mais de 50 anos a produção de quadrinhos é realizada por aqui e a capital, João Pessoa, mantém um grupo fiel de colecionadores, quadrinistas e entusiastas. O primeiro quadrinho paraibano foi publicado em 1963 por Deodato Borges, que era jornalista, roteirista e quadrinista. O artista foi o criador do personagem “Flama”, que surgiu nas novelas de rádio e foi um dos primeiros a aparecer em revistas em quadrinhos publicadas no nordeste. Com tanto talento, Deodato deixou “de herança” para o mundo dos quadrinhos toda a mestria do seu filho, Mike Deodato Jr, que aperfeiçoou seus desenhos com os ensinamentos do pai.

Sem perder muito tempo, já aos 15 anos Mike lançou a sua primeira revista independente de HQ de um personagem criado por ele, o Ninja. Após diversos outros trabalhos, o artista leva o seu talento para fora do país ao desistir do seu curso de comunicação na UFPB (Universidade Federal da Paraíba) e ir até à França para participar do XIII Salão Internacional de Angoulême. Com diversos contatos, ao mesmo tempo em que trabalhava como diagramador e desenhista nos jornais da Paraíba, passou a publicar trabalhos na Europa.
Segundo o artista, a paixão mútua entre ele o pai pelos quadrinhos fez ambos serem bastante próximos e incentivou o seu trabalho. Em uma entrevista, Mike fala sobre a realização de trabalhar em grandes empresas como a Marvel e a Dc. Para ele, esse é um sonho realizado.

E por falar em sonhos realizados, assim como Deodato inspirou seu filho, Mike anda inspirando muita gente dentro e fora da Paraíba. Um dos maiores exemplos é o estudante de Mídias Digitais da UFPB, Gabriel Jardim, que com apenas 20 anos já publicou seu primeiro quadrinho. A admiração do estudante pelo trabalho de Mike se encontra na simplicidade de seus desenhos. Segundo Gabriel, o quadrinista é extremamente atencioso e cativante e essas foram características fundamentais para incentivar Gabriel a seguir os passos do seu ídolo.
Gabriel lançou recentemente o seu primeiro quadrinho, Café, que está recebendo bastante atenção e sendo bastante elogiado, não apenas por pessoas da Paraíba mas por todo o Brasil. O jovem quadrinista diz que não esperava tanta repercussão, mas que adora ver as pessoas falando do seu quadrinho e também a de ter a atenção de grandes nomes como Laerte Coutinho, um dos maiores quadrinistas do Brasil.
Embora seu atual quadrinho tenha uma boa repercussão, Gabriel não está parado. Ele já começou a trabalhar em seu próximo projeto que será uma história bem maior e deve demorar em média de 2 anos para ser publicada.

 

O caminho escolhido por Gabriel para financiar o seu quadrinho foi a divulgação e o crowdfunding pelo Catarse.me, um site onde você publica os seus projetos e pode receber doações para tocar ele para frente. Já Igor Tadeu, 28 anos de idade, é outro famoso quadrinista paraibano e financiou seus quadrinhos por si só. O jovem desistiu do curso de publicidade, participou de uma banda e começou a fazer quadrinhos. Graças à grande atenção que a produção cinematográfica e à ascensão da cultura nerd geraram, a nona arte ganhou novamente um espaço maior, mas Igor ainda acha que ela merece um pouco mais de atenção.
Mesmo consciente de que há editais, crowdfunding e outros métodos que apoiam os artistas, Tadeu diz que o auto financiamento foi a escolha dele e que uma vez que ele decidiu que fazer quadrinhos era realmente o que queria, se empenhou e fez acontecer. E realmente, como fez! O seu último projeto, “Uma história em cada garrafa”, recebeu críticas positivas no site Universo HQ, que é uma das maiores fontes de informações sobre quadrinhos do Brasil. Igor diz que a sensação de ter um de seus trabalhos divulgados em um site tão grande é muito incentivante. Ao fazer um projeto nunca se sabe ao certo qual será a reação do público a ele, e ver uma reação positiva como uma divulgação de tal tamanho é como vencer uma corrida e ganhar feedback que não sejam apenas uns tapinhas nas costas.

Deodato, Deodato Jr., Igor Tadeu e Gabriel Jardim fazem parte da grande história de quadrinhos regionais e com certeza deixam sua marca na história da nona arte. Com suas artes eles também inspiram várias outras pessoas a seguirem seus sonhos. Nossos artistas tem um grande legado, grandes quadrinhos, mas acima de tudo eles são a prova viva de que se você se dedicar e dar o melhor de si para seguir os seus sonhos você não se arrepende, afinal de contas, quando você realmente quer, faz!

Comente

Mini aula sobre design com Wayne Formiga

O post de hoje é um verdadeiro presente para quem gosta de design. O vídeo abaixo foi produzido para o programa Business Club da RCTV (Canal 27 da Net João Pessoa/PB, um “subcanal” da TV Correio, retransmissora da Rede Record na Paraíba), onde o apresentador Max Leal entrevista Wayne Formiga, designer com experiência internacional e proprietário da WFBD (Wayne Formiga Brand Design).

A WFBD é uma agência especializada em design, onde o principal objetivo é mostrar o que é possível fazer e onde é possível chegar com um bom planejamento de design. E na entrevista, Wayne Formiga dá uma verdadeira aula sobre o que realmente é design e como se fazer design (e não arte!). 
Os trabalhos da WFBD dispensam comentários e podem ser vistos tanto no site deles (link no primeiro parágrafo), no perfil da agência no Behance e você pode acompanhar o trabalho da galera através da FanPage dele no Facebook.
Comente

A arte de Bruno Gonçales

Sempre que venho falar de um artista aqui, eu gosto de ressaltar quando ele é brasileiro.. e é novamente o caso desse post! O escolhido de hoje é o Bruno Gonçales, lá de Guarulhos – São Paulo.
Ele é um entusiasta do desenho desde a infância, onde frequentou aulas desenho anatômico, e depois, interessado pela técnica do Graffiti, produziu por 5 anos na área.

Os trabalhos mais atuais do Bruno trazem outras técnicas, como aquarela e nanquim, que ele declara ter pesquisado e estudado por conta própria!

Em sua página no Facebook ele posta alguns de seus trabalhos. O álbum que mais me chamou atenção foi o “De onde vem” e eu escolhi alguns desses desenhos lindos pra vocês verem:

“Com os desenhos procuro sempre passar harmonia, amor, equilíbrio. Sobre o álbum “De onde vem”, quis mostrar nele uma parte do processo antes da criação de uma arte minha, onde tomo por referência imagens que acho pela internet, ou as vezes fotos de amigas. Nem todos meus trabalhos são feitos a partir de referência como estas, muitas vezes uso da minha própria imaginação.”

Bruno Gonçales 
Além dos desenhos, Bruno também produz vídeos do seu processo criativo. Vale muito a pena ver: 

Se gostou, você pode acompanhar o trabalho dele! Confira a Fanpage, o Behance, o Flickr e o canal lá no Youtube


Postado por

Camila Waz

Se eu pudesse definir quem eu sou em uma expressão, seria essa: Web lover! E esse meu louco amor pela web (principalmente por blogs) ajudou a fundar o MidiaDrops. Sou estudante de Comunicação em mídias digitais na UFPB e também sou web designer! Além disso, sou chocólatra, louca por música, viciada em twitter e em tudo quanto é rede social!

Comente

Já conhece o DIA?


Hoje, o post é dedicado aos amantes e admiradores da boa arte. Vamos falar um pouco sobre o coletivo de arte DIA, formado pelos ilustradores Daniel Ferreira, Izaac Brito e Américo Gomes. O grupo surgiu em João Pessoa, em 2010, mas a ideia deste projeto vinha amadurecendo desde 2007.

De acordo com Izaac Brito, o grupo tenta “dar forma ao que vem a nossa mente” e que a primeira forma de arte trabalhada por eles foi a “narrativa pirotécnica”. Izaac explica que essa narrativa foi um conceito construído pelo grupo e ganhou seu primeiro formato ao ilustrar músicas.
A repercussão dessa ideia foi tão positiva, que um dos artistas “homenageados” pelo grupo, ninguém mais, ninguém menos que Roberto Frejat, fez questão de receber a arte produzida pelos caras! A ilustração foi feita a partir da famosa canção “Por Você”, uma das mais conhecidas do vocalista do Barão Vermelho.

Izaac ainda ressalta que o grupo faz “uma única arte feita por três pessoas em tempo real…uma ideia visual concebida ao passo que o desenho de um influí na ideia do outro.”

O grupo também já fez importantes palestras sobre Arte Coletiva e Ilustração na Estação Cabo Branco (duas vezes!) e na Faculdade iDez. Isso sem contar as exposições do grupo no Espaço Cultural, Estação Cabo Branco e Aliança Francesa, entre tantos outros.

É arte de pura qualidade e inovação! Afinal, não é toda hora que se vê um Coletivo de Arte no sentido literal da palavra…não é?!

Abaixo, algumas das muitas artes coletivas do DIA!

(Clique nas fotos para ampliar.)

Vocês podem acompanhar o DIA no Facebook e no Tumblr.
E aí, curtiram?


Comente