Eu Desafio Você

Todo dia a gente acorda, trabalha, estuda e vai vivendo sempre a mesma rotina. Às vezes saímos, relaxamos e na segunda-feira estamos de novo na correria. Mas e se nós parássemos para ver os pequenos detalhes ou pessoas que passam despercebidas? Se a gente tentasse experimentar algo novo, as vezes simples, mas que nunca pensamos em fazer?

É com essa ideia que Jeff Carvalho resolveu nos desafiar. O projeto Eu Desafio Você nasceu como um aplicativo e hoje está também presente no formato de cartões impressos, levando pequenas gentilezas e desafios que podem mudar seu dia.

Jeff é pernambucano e atualmente mora em João Pessoa. Técnico em T.I. pelo IFPE, hoje está no curso de Comunicação em Mídias Digitais da UFPB. Conversei um pouco com ele sobre o projeto.

Aplicativo do Eu Desafio Você

De onde nasceu o Eu Desafio Você?

O projeto inicial nasceu com o objetivo de tirar as pessoas de suas zonas de conforto. É muito fácil cairmos na armadilha de agir no automático, ignorando os pequenos detalhes e perdendo a sensibilidade com o mundo. O EDV nasceu com o propósito de justamente evitar essa automação, quebrando a rotina uma vez ou outra por meio de desafios simples.

Como funciona?

Basicamente tem duas formas de interagir com o Eu Desafio Você, a primeira é através do aplicativo, lá a experiência é mais pessoal, o app desafia você. A segunda forma é mais pública, você desafia outras pessoas através de cartões. Cada cartão tem um desafio e um código único, você cumpre o desafio, faz check-in no site usando esse código e depois desafia outra pessoa dando o cartão para ela. Ah! Também é possível rastreá-lo no site para saber por onde ele andou antes de chegar nas suas mãos.

Quem tanto está envolvido com o projeto?

Uma das coisas que mais gosto no EDV é essa pegada colaborativa que ele tem, depois que lancei os cartões para a interação offline ele deixou de ser algo centralizado e ganhou várias extensões em várias cidade. Vários amigos e parceiros estão ajudando na distribuição dos cartões pelo Brasil.

Cartão do Eu Desafio Você

E se eu quiser participar?

No site do projeto você pode solicitar um pack de cartões, daí envio para seu email um arquivo pdf para você imprimir na sua cidade e começar a distribuir também. Essa é a forma mais legal de participar do EDV, rende ótimas experiências.  

Que tipos de desafios eu vou encontrar?

Existem basicamente dois eixos: No aplicativo os desafios são mais aleatórios e tem o objetivo de mexer com sua rotina, por exemplo “Ir para o colégio/faculdade/trabalho com meias diferentes” ou “Usar o Bing na próxima pesquisa” (quem usa o Bing?), já nos cartões o objetivo principal é gerar pequenos atos de gentilezas como “Dar uma flor para alguém” ou “Elogiar genuinamente 5 pessoas”.

Como foi o processo criativo para fazer os desafios?

Para criar o desafio existem duas regras: 1. Não pode machucar ninguém (óbvio) e 2. Tem que gerar uma boa experiência. Depois de ter isso em mente comecei a pensar em pequenos atos que para muitos podem parecer banais, mas que possuem o poder de mudar o dia das outras pessoas. Outra coisa que tentei fazer foi deixar brechas interpretativas, os desafios não são contratos com mil cláusulas, quero que a pessoa se sinta à vontade para explorar as possibilidades.

Como funciona o cartão

Mas e você, quantos desafios já conseguiu completar?

Essa é uma ótima pergunta (risos). Eu tenho uma meta pessoal de cumprir todos os desafios que coloco nos cartões e no aplicativo. Não sei exatamente quantos eu já cumpri, mas com certeza já foi mais que a metade.

O que planeja para o futuro?

O Eu Desafio Você brincará mais com a cidade, além dos cartões haverão cartazes em pontos estratégicos (a primeira cidade será João Pessoa, mas há planos de expansão) com desafios específicos para aquele determinado local. Sempre que um novo cartaz estiver disponível vamos notificar no nosso Twitter, Facebook e Instagram além de colocar no mapa lá no site.

Suas considerações finais?

Quero agradecer o pessoal do MidiaDrops pela oportunidade de falar um pouquinho mais sobre esse meu novo projeto que estou muito feliz com a aceitação e o alcance que estamos tendo. E se quiser trocar uma ideia comigo sobre o EDV ou se ficou alguma dúvida no ar, podemos puxar a discussão tanto aqui nos comentários como lá no meu Twitter.

 

Agora é com você! Vai no site do EDV, solicite seus cartões e desafie seus amigos, parentes ou desconhecidos. Garanto que você vai ter ótimas histórias pra contar depois!

 

Comente

Trabalhando com pessoas diferentes

Photo via kaboompics.com

Photo via kaboompics.com

Trabalhar em equipe nunca é uma tarefa fácil. Ainda mais quando você não conhece ninguém que vai trabalhar com você. Esse foi o meu principal desafio no Recife Service Jam (RSJ).

Antes de contar minha experiência, é importante você entender a dinâmica do evento. O RSJ é uma edição local da Global Service Jam, que acontece simultaneamente em dezenas de cidades ao redor do mundo, e consiste em 48h dedicadas a desenvolver uma solução de serviço com base em um tema que só é revelado nas primeiras horas do evento. As equipes são definidas por sorteio e o tema é o mesmo para todas as cidades. Esse ano o tema foi um som. Isso mesmo que você entendeu: soltaram um som para escutarmos e inspirado nele tínhamos que criar uma ideia de serviço. Crazy né? Mas foi muito massa!

Como minha empresa é focada em serviços, não tive dúvidas ao me inscrever. Fui com muita expectativa de imergir no evento e aproveitar cada oportunidade e desafio que ele me proporcionasse (uma curiosidade é que até chegar no evento, não tinha a menor ideia de como ia ser, apenas sabia que utilizavam o Design Thinking em soluções para serviços).

Apesar de já ter uma certa experiência em eventos desse tipo, por conta da minha vasta participação em Startup Weekends, tentei não me bloquear porque sabia que isso iria me prejudicar na experiência do fim de semana. E é aí que começa a parte interessante do evento.

Fizeram o sorteio das equipes que iriam trabalhar durante as próximas 48h e acabei caindo em um grupo com uma mistura interessante de áreas: 2 administradores (sendo um com foco e Computação e outro em Economia Colaborativa), 1 economista, 2 designers (um de jogos e outro focado em branding) e 1 arquiteto. Um time bem multidisciplinar com pessoas que não se conheciam tentando criar uma solução de serviço com base em um som. Imaginem como foi a experiência.

De início, tomei uma atitude mais defensiva, já que não conhecia ninguém. Preferi ver como o pessoal trabalhava e como eu poderia contribuir com o que sei para o benefício do grupo. E é incrível como a gente consegue aprender com mentes tão diferentes. Nosso facilitador, que era da área de Design, nos orientou durante todo o evento e desenvolveu um papel bem importante no grupo. Ele não era “oficialmente” membro da equipe, mas podia nos ajudar a desenvolver as ideias, estruturar o pensamento e botar a mão-na-massa junto com a gente. Em vários momentos que estávamos perdidos, foi o nosso facilitador que juntava a gente e tentava clarear as coisas.

O primeiro dia foi mais para nos conhecermos. Já no segundo conseguimos ter intimidade suficiente para batermos de frente com os pensamentos expostos. Sim, amigos! A melhor coisa na face da Terra é ter intimidade. Porque é com a intimidade que você consegue ser franco sobre seus pontos de vista e consegue argumentar melhor. A pior coisa de uma equipe é quando todos concordam com tudo. Como que o pensamento e as ideias vão evoluir sem que haja o famoso “choque” de pensamentos? Quando as coisas entram em um conflito (saudável, diga-se de passagem), tudo evolui, sai do nível 1 e vai para o nível 2. E isso foi o que aconteceu conosco no segundo dia: choque de ideias, de pontos de vista, de processos que achavam melhores e coisas do tipo.

No entanto, uma coisa que eu sempre defendo (e quem me conhece não me deixa mentir) é que temos sempre que trabalhar nos divertindo. Acredito muito que o bem-estar no trabalho é fundamental para o bom desenvolvimento dos resultados, de ideias inovadoras e trabalhos bem executados. E durante todo o fim de semana eu bati muito nessa tecla com a nossa equipe: o importante não é vencer a competição em si, mas se entregar de corpo e alma no processo que a gente estava passando, e nos divertir ao mesmo tempo.

Com isso em mente, criamos um vídeo bem cômico para explicar nossa ideia, fizemos uma apresentação de Pitch com Emojis, criamos apelidos entre nós, etc. Enfim, aproveitamos o final de semana para nos divertirmos.
No final de tudo, acabamos superando 9 equipes e ficando em 2ª lugar no RSJ, com uma apresentação simples, mas marcante; com uma equipe totalmente desconhecida, mas que viraram amigos; com uma ideia que partiu de um som, mas que virou um serviço extremamente necessário para as pessoas.

Por isso, ao enfrentar uma situação onde você esteja com uma equipe completamente desconhecida, com pessoas (aparentemente) desconectadas e com pensamentos divergentes, lembre dessa história. O mundo é feito de pessoas diferentes, e são as pessoas diferentes que fazem o mundo evoluir do jeito que evolui, com resultados incríveis.

Comente

Perdendo o controle das coisas

Photo via Negative Space

Photo via Negative Space

Semana passada deveria ter escrito um texto aqui para vocês, e ontem do mesmo jeito. Não! Não foi por falta de tempo (difícil admitir esse fato), nem por falta de conteúdo (tenho um caderno no Evernote só com ideias de novos textos), mas por falta de organização.

Todo início do ano começamos com inúmeras resoluções e desejos para fazer um ano diferente, melhor e mais interessante, mas esquecemos que desejar não é suficiente. É necessário estar disposto a mudar certos hábitos e ter muita organização (no mínimo do seu próprio tempo) para poder realizar tudo isso.

Há alguns meses atrás percebi que estava começando a perder o controle das coisas em que estava envolvido. Nada muito grave, mas vez ou outra uma atividade era esquecida no meio da avalanche de tantas outras, e isso começou a me preocupar com o futuro. Visualizei minha vida alguns meses mais à frente e percebi que havia enormes chances de tudo piorar. Mesmo assim, dei início a outros projetos (como escrever aqui para o Midiadrops e postar vídeos quinzenais no YouTube).

No entanto, ao perceber essa tendência de perda total do controle das minhas atividades, decidi parar e agir para resolver. E o principal problema que eu tinha era: sozinho não consigo fazer tudo que preciso.

Com pouco mais de 2 anos de empresa, ainda fazia boa parte do trabalho sozinho na gestão de tudo o que vocês imaginarem, desde o lado mais estratégico (planejamento e parcerias) até o mais operacional (limpeza do escritório).

Não sei de onde eu tirava tanta energia (e ainda tiro) para dar conta de tudo o que tinha pra fazer. Lógico, que algumas das atividades mais operacionais eu obtive grande ajuda dos meus pais e minha adorável irmã. Tínhamos, por exemplo, uma rotina de ir todo Sábado pela manhã ao Tot fazer a limpeza da casa inteira e aos Domingos fazíamos a mesma coisa com a nossa casa.

Quando a situação financeira da empresa melhorou e eu estava começando a perder o controle das minhas atividades, decidimos contratar uma faxineira (que carinhosamente chamamos de “fada madrinha”, já que trouxe uma mega ajuda ao nosso dia-a-dia). E essa foi uma das melhores decisões que tivemos na vida.

Tudo ficou diferente. Pude desenvolver os projetos que estavam parados, nossos clientes se sentiam melhor e eu consegui aliviar um enorme peso que estava em cima de mim. A empresa foi crescendo ao longo dos meses de uma forma que eu não imaginava e grande parte disso foi em virtude de ter deixado de me preocupar com certas atividades.

“Não contrate alguém por prazer, mas para aliviar a dor. […] A hora certa de contratar é depois de passar um período prolongado de tempo com mais trabalho a fazer do que o de que você dá conta.” (Reinvente sua empresa – Fried, Jason)

Percebi que essa frase do Jason Fried retratava exatamente a minha situação: tinha mais coisas para fazer do que podia dar conta. E isso era ótimo! Ótimo porque mostrava que as coisas estavam evoluindo, que tinham projetos novos surgindo e que tinham pessoas novas precisando dos meus serviços. Mas ao mesmo tempo era péssimo! Péssimo, porque a qualidade do meu trabalho estava começando a apontar falhas, que 24h em um dia não eram suficientes para mim e que dormir por 4h não estava sendo saudável para meu corpo.

Recentemente percebi que estava voltando a esse momento. Por isso, nas últimas 4 semanas estive realizando um processo para agregar novas mentes à equipe. Foram períodos intensos de muita reflexão sobre o tipo de pessoas queríamos junto de nós, afinal de contas, íamos ter que trabalhar em conjunto diariamente para fazer as coisas se desenvolverem ainda mais.

A experiência foi ótima. Muito melhor do que imaginávamos e com resultados mais do que satisfatórios. Agora posso dizer que as coisas estão voltando ao seu controle normal e o melhor: consigo dar um salto com o Tot maior do que podia antes. A conta é simples: se com um par de mãos conseguimos um resultado X, com 4 pares mãos conseguimos 4X.

Resumindo, às vezes o que falta para conseguirmos fazer tudo o que temos e queremos fazer é um pouco de organização. Sem isso, a vida e os negócios perderão o controle, e o crescimento se tornará um sonho impossível de ser concretizado.

Comente

Um exemplo de atendimento ao cliente

Imagem de Splitshire

Imagem de Splitshire

Na era da tecnologia, onda a facilidade em se comunicar com as pessoas de qualquer lugar é extremamente fácil, as empresas começaram a visualizar uma nova forma de interação com os clientes, e ganha quem cativa mais e trata eles da forma como sempre deveriam ser tratados: como pessoas (e não como mais um número de vendas).

OBS: Esse post não é patrocinado e todas as informações expostas são com base na minha experiência como cliente.

Recentemente tive duas experiências super inusitadas sobre essa questão com um restaurante de comida chinesa e japonesa daqui de João Pessoa, o Extremo Oriental (sim, vou dar nome aos bois porque acredito que não devemos só falar das marcas e empresas quando pisam na bola conosco, mas também quando marcam um gol). O restaurante fica muito próximo do meu escritório e, acredite se quiser, nunca tinha utilizado o serviço deles ao longo de quase 3 anos. E foi somente no fim do ano passado, após gravar alguns vídeos para o meu canal no YouTube com uns amigos, que almocei lá pela primeira vez.

Quem me conhece sabe como amo comida japonesa e, após ter visitado o restaurante pela primeira vez, passei a buscar sempre uma oportunidade de comer sushi novamente, mas nada em excesso. E foi no primeiro pedido de delivery que eles começaram a me conquistar como cliente.

1ª Experiência

Estava há alguns minutos de um evento no Tot, e morrendo de fome, quando uma amiga sugeriu de pedirmos sushi no Extremo Oriental. Apesar de amar comida japonesa, uma coisa que nunca aprendi foi o nome das coisas, e já imaginei a dificuldade que seria pedir por telefone, mas a vontade era grande. Fizemos a ligação e o atendente, chamado João Paulo, tratou a gente super bem. Ele foi extremamente paciente por não sabermos dizer com clareza o tipo de sushi que queríamos e ainda localizou o escritório no GoogleMaps para mostrar ao motoboy e não errar o endereço. O prazo que era de 40min reduziu-se para 15min (afinal ficamos à 5 quadras deles – mas que, infelizmente para a maioria dos restaurantes, não é motivo da entrega ser mais rápida). Ao chegar a comida, percebemos que eles tinham esquecido o “palitinhos” (hashi) e liguei informando. Em 5min o motoboy voltou com nosso palitinhos e comemos os sushis super felizes. Nunca tinha tido um atendimento de delivery tão paciente e eficiente, mesmo com o descuido dos nossos “talheres”.

Depois dessa experiência, ainda pedi mais 3 vezes sushi com eles e na quarta vez foi que me surpreendi de verdade com o atendimento.

2ª Experiência

Fui fazer o pedido normalmente do meu almoço com eles e liguei para o restaurante:

– Você poderia me ver 12 sushis…

E antes de continuar o atendente (que era o mesmo João Paulo) falou:

– Sem ser frito, sem frutas e sem gergelim, correto senhor?

Dei uma risada e disse:

– Exatamente!

O atendente foi e completou:

– Já sei mais ou menos do que o senhor gosta. Vou separar aqui e peço para o motoboy entregar para você!

Sim! O atendente me surpreendeu dizendo exatamente o que eu gostava de comer. Quantas empresas atendem a sua ligação e já sabem o que você costuma pedir para te oferecer exatamente o que você deseja? Praticamente nenhuma! Fiquei extremamente satisfeito com o atendimento recebido e virei cliente fiel do restaurante.

Essa história toda foi para mostrar que existem várias formas de você conquistar e cativar o cliente com muito pouco. A simples forma como você fala ao telefone (que atualmente muitas empresas deixam de lado em virtude dos inúmeros Apps de delivery), de responder um email, de oferecer o que seu cliente realmente precisa, e não o que você quer vender, são coisas que fazem total diferença entre uma empresa e outra.

Lembre-se disso na hora de prestar um serviço e com certeza você terá clientes comprando não só o seu produto/serviço, mas comprando a sua ideia enquanto empresa e espalhando isso para outras pessoas. E isso, meu amigo, não tem investimento em propaganda que consiga fazer.

Comente

Minha ideia foi por água abaixo

Imagem de huney.co

Imagem de huney.co

A maior alegria de nós, empreendedores, é quando as pessoas compram a nossa ideia de braços abertos. E quando digo “comprar”, falo de entrar no barco junto com a gente, em algo que muitas vezes parece loucura.

Ao mesmo passo, a pior coisa é quando você não recebe a aceitação que imaginava para aquilo lançado. Seja porque a ideia não era tão boa, seja por conta do timing que estava errado e as pessoas não estavam preparadas para receber a novidade, ou até por simples erros do próprio empreendedor que transformaram uma ideia brilhante em catástrofe mundial.

Há muito tempo acompanho um canal no YouTube chamado Fine Brothers Entertainment (FBE), criado por dois irmãos que fazem vídeos de entretenimento. E recentemente eles passaram exatamente por essa situação que comentei, e infelizmente vivenciaram a rejeição do público a um novo projeto.

O FBE é um canal com quase 14 milhões de inscritos e possuem em seu acervo vídeos com mais de 43 milhões de visualizações. Ao longo dos anos criaram uma marca própria e viraram referência no gênero “react”, onde pessoas (crianças, adultos, idosos e youtubers) reagem à praticamente tudo que você puder imaginar, desde comidas até a vídeos virais e novas tecnologias. Com o enorme crescimento, nada melhor que vir com uma inovação para o público que tanto curte o gênero: “Vamos licenciar os programas REACT para qualquer pessoa fazer da mesma forma que nós, com nosso apoio e suporte, e podendo utilizar a nossa marca.”, e foi assim que surgiu o REACT WORLD; algo super normal em canais de televisão, como a gente vê nos realities: The Voice, Big Brother, X Factor, etc. Mas infelizmente, tudo foi por água abaixo. O público, rejeitou, perderam centenas de milhares de inscritos em alguns poucos dias (se não tiverem já chegado a 1 milhão perdido), repercutiram em diversos outros canais do YouTube e ainda sofreram com algo pavoroso para qualquer youtuber: os dislikes nos vídeos.

Após toda a repercussão do anúncio do REACT WORLD, os irmãos da FBE até fizeram um vídeo explicando toda a situação e tentando acalmar os ânimos, mas não tiveram muito sucesso. Então, os eles tomaram a decisão de cancelar o novo projeto, deletaram o vídeo do anúncio e o vídeo de explicação e fizeram um post no Medium esclarecendo tudo.

Não vem ao caso dizer se eles estavam certos ou não em licenciar esse tipo de programa (que é a grande discussão no meio do YouTube), a questão é que eles sofreram a rejeição do público a algo que foi criado com o intuito de impactar positivamente as pessoas. E muitas vezes passamos por essa mesma situação enquanto empreendedores.

Eu mesmo, ao montar a minha empresa, o Tot Coworking, lidei com a barreira cultural que fez com que eu projeto demorasse absurdamente muito mais tempo para pegar vôo do que o que eu tinha imaginado. Isso faz parte do processo, afinal estamos apostando em algo novo, que na maioria das vezes as pessoas não estão acostumadas. Querendo ou não, tudo que é novo tem aquela dualidade: ou vai ser super bem aceito pelo público e um sucesso sem escalas, ou o pessoal não vai curtir e você vai ter um alto índice de rejeição. E quando já temos uma base de clientes, todo cuidado é pouco.

Em momentos como esse temos que estar preparados para qualquer uma das duas possibilidades. Ter um plano B ou preparar as pessoas para a novidade que virá futuramente são extremamente necessárias para conseguir reagir bem ao impacto que as pessoas vão ter sobre a nossa novidade.

Na minha situação, tentei preparar as pessoas para a chegada da minha empresa alguns meses antes da inauguração, mas a minha falta de experiência atrelado ao meu temperamento impulsivo, acabaram gerando um impacto negativo na aceitação do negócio que me custou muito dinheiro por um longo tempo.

A moral da história é: se vai inovar e lançar algo fora do comum para as pessoas ou se vai mudar algo que seus clientes já estão acostumados há anos, tenha muito cuidado, senão sua grande ideia pode ir por água abaixo, e infelizmente seu bolso vai sentir muito.

Comente