Categoria: Criatividade

Um Feliz Natal (de H&M e Wes Anderson)

Que por aqui a gente adora Wes Anderson não é mais nenhuma novidade! O diretor se juntou com a H&M para criação de uma propaganda especial de Natal intitulada Come Together, que juntou o melhor dos dois mundos: as principais características dos filmes de Wes e a nova coleção da H&M. Pra temperar ainda mais a criação, o curta metragem ainda conta com Adrien Brody como o personagem principal (o maquinista Ralph).

As aventuras acontecem dentro de um trem – cenário que casou perfeitamente com o toque Wes Anderson de cores pasteis, personagens peculiares e planos simétricos. Aperta o play pra conferir:

É nesse clima que eu aproveito pra desejar um Feliz Natal 😉

 

Até breve!

 

Comente

Abstract Affirmations Daily: Lettering e positividade

Projetos diários são extremamente desafiadores. Caroline (@ckelso) encontrou neles uma forma de transformar a sua vida. Através de projetos diários, a artista buscou melhorar suas skills em lettering e bem, deu certo! Caroline começou com a prática em 2013 e não parou mais. Hoje ela mantém o Made Vibrant e também um projeto de lettering chamado Abstract Affirmations Daily.

Cores, movimento, contraste, texturas, e claro, positividade, são as principais características das artes diárias de Caroline.

Abstract Affirmations Daily by @ckelso - MidiaDrops

 

Usando movimento, cor, contraste e texturas para transmitir uma mensagem, eu quero que meu trabalho represente uma forma de tirar do coração todas as coisas que nos prendem. Em outras palavras, eu quero que isso faça você se sentir livre. – Caroline

Abstract Affirmations Daily by @ckelso - MidiaDrops Abstract Affirmations Daily by @ckelso - MidiaDrops

O projeto de Caroline também tem uma loja online, onde as artes mais novas do Abstract Affirmations Dailys ficam disponíveis para venda. Pra saber como funciona, conheça o site do projeto.

Abstract Affirmations Daily by @ckelso - MidiaDrops

Combinando técnicas de desenhos abstratos em acrílico e hand lettering a artista está firme em seu projeto, o que significa que ainda teremos mais um semestre inteirinho de belas imagens para acompanhar. Pra isso, recomendo que vocês sigam a Caroline no Instagram.

Boa semana!

Comente

Não sou criativo!

Photo by Aleks Dorohovich

Imagem de Aleks Dorohovich

Sou um administrador de empresas. Não trabalho com criatividade.

Quando vejo uma frase dessas me dá logo um arrepio. Primeiro porque todo mundo trabalha com criatividade de alguma forma, seja pra resolver um problema pessoal do dia-a-dia, seja para desenvolver uma marca. E segundo, porque essa foi a frase dita há pouco tempo atrás por quem vos escreve.

Confesso que hoje, quando vejo que fui capaz de soltar essas palavras, fico envergonhado; mas ao mesmo tempo, aliviado de ter entendido o real significado da criatividade.

Muitos ainda pensam dessa forma. Acreditam que a criatividade é algo quase que “exclusivo” de quem trabalha com arte, imagem e mídias dos mais diversos tipos. Mero engano!

Esse é um tema bastante subjetivo, claro, mas ao mesmo algo muito fácil de ser compreendido. A criatividade nada mais é que desenvolver algo pensando de um jeito diferente, saindo dos métodos tradicionais de se fazer as coisas.

Considero a criatividade como uma habilidade que pode ser adquirida por qualquer tipo de pessoa. A única condição de sermos ou não criativos está no nosso esforço em desenvolver essa capacidade.

De forma simples, se nos permitimos ter novas experiências, vivenciar situações fora da nossa zona de conforto e colocar nossa mente trabalhando em atividades além da nossa atividade principal, conseguimos ser mais criativos.

A nossa geração (os millennials) são considerados como jovens “indecisos”, muitas vezes porque gostamos de fazer de tudo um pouco e experimentar coisas novas. Ao mesmo tempo, somos valorizados pelo nosso enorme potencial criativo. Percebeu a relação?

Digo por mim mesmo, que sou formado em Administração, mas aprendi (e continuo aprendendo) design por conta própria, já fiz aulas de desenho, me amarro em fazer trabalhos manuais e artesanais, tenho uma paixão por fotografia e como podem perceber, gosto de escrever.

Para muitos, nada disso possui relação alguma. Mas para mim, são inputs (entradas — nesse caso de informações) que contribuem para desenvolver o meu lado criativo. As ideias que tenho são resultados das minhas experiências diárias, de conversas que participo, de filmes e séries que assisto e até de problemas que passo.

Sim, a criatividade não é exclusivo de uma área ou outra, mas é algo ao alcance de todos. A diferença está nos tipos e frequências de inputs que cada um nós temos. Igual à uma academia, que se você parar de malhar seu corpo deixa de ter a resistência que tinha, sua mente deixará de ser criativa a partir do momento que você deixar de ter inputs variados.

Exercite sua mente e permita-se novas experiências. Seu potencial criativo agradece.

Comente

Amar é: Puuung

Quadrinhos, livros, músicas, esculturas, quadros, filmes… o que mais nesse mundo já se foi feito para falar de amor? Entre várias artes, várias manifestações e declarações, das quais a gente nunca se sente farto, existe uma artista coreana chamada 퍼엉, ou melhor, Puuung que consegue tratar desse assunto com uma sensibilidade gigante.

Puuung começou a adquirir fama em 2014, quando iniciou a compilação de sua série “Love is”, que até hoje está em construção com suas ilustrações sobre pequenos momentos que a vida a dois proporcionam. Em entrevista ao site Metro da Inglaterra, ela falou: ” O amor é uma coisa que todo mundo pode falar sobre, e ele vem de maneiras que nós podemos facilmente ver no nosso dia-a-dia. São os pequenos, mas gentis e atenciosos momentos que mostram que nós nos importamos.”

As ilustrações não possuem legendas, então fique a vontade, pegue um lencinho e interprete da forma que preferir.

p2 p3 p4 p5 p6 p7 p8

 

 

Ainda tinha muita coisa que eu queria colocar aqui. Pouco se sabe sobre a artista, mas você pode acompanhá-la pelo Twitter, Facebook, Instagram e pelo Grafolio, vale a pena. 🙂

 

Comente

MD Entrevista: Isabella Diniz

Hoje trago para vocês uma conversa super bacana com a fotógrafa Isabella Diniz. Natural de Recife-PE, estuda atualmente no curso de Comunicação em Mídias Digitais da UFPB. Ela nos conta como começou sua aventura pelo mundo da fotografia e sobre seus projetos mais recentes.

Isabella Diniz

Autorretrato de Isabella Diniz

De onde veio o gosto pela fotografia?

Eu sempre gostei muito de observar imagens, mesmo quando eu ainda não tinha noção do que era fotografia. Lembro que eu passava muito tempo olhando as fotos das capas dos CDs que eu tinha, das revistas da minha mãe e achando aquilo tudo muito legal e bonito. Quando eu tinha 7 anos fui numa loja de brinquedos que tinha uma câmera analógica da Barbie e lembro como se fosse hoje como aquele dia foi feliz por ter ganhado ela de presente hahaha. Mas acredito que passei a entender o que era fotografia com os autorretratos. É engraçado lembrar dessa época, por que tinha toda uma produção e durava um dia inteiro minhas sessões hahaha. Mas foi aí que fui entendendo como a luz, os ângulos, a edição podiam influenciar na foto e em mim… Eu só tinha uma câmera compacta muito simples e ainda não era a época das selfies, mas eu aprendi a me enxergar melhor através a fotografia e ao longo do tempo a enxergar os outros.

isa_ensaio1

foto: Isabella Diniz

Quais suas inspirações?

Eu guardo muita referência do que vejo, minha lista de favoritos marcados como inspiração é enorme. Acho importante buscar inspiração não só nos fotógrafos, mas em livros, videoclipes, nas artes e até nas pessoas ao seu redor. Minhas inspirações variam muito. Na pintura gosto muito de Caravaggio, John William Waterhouse e Edward Hooper, muitos outros são artistas que encontro pela internet. Na fotografia eu tenho inspiração em quase todas as áreas e eu poderia passar o resto da vida citando o nome de todos haha. Amo o trabalho do Steve McCurry, no fotojornalismo e as séries do Duane Michals e do Jean-Loup Sieff. Recentemente gosto de acompanhar o trabalho do “You Can’t be Serious”, Sônia Szóstak (amo), Theo Gosselin, Angelo Bonini… Tem muita gente fazendo coisas incríveis, essa pergunta é a pergunta mais difícil de responder hahaha.

 

Gosto de tentar mostra nos outros o que eles não veem.

isa_ensaio3

foto: Isabella Diniz

Você tem algum estilo como referência?

Gosto de arte por ela ser capaz de transmitir sensações, e isso inclui a fotografia. Se eu sinto algo, ela é uma referência pra mim. Não sei se sigo um estilo único como referência. É possível encontrar fotografias incríveis em todos os segmentos. Talvez eu me interesse mais por “fotografia de gente”, mas também sou bem aberta em relação a isso.

 

O que você mais gosta em fotografar?

Pessoas. Gosto de tentar mostra nos outros o que eles não veem. A fotografia pra mim é um desafio justamente por isso. O que é mais bonito em cada pessoa? A beleza física não é o que torna a foto de alguém bonita, e quando digo bonita não é necessariamente a beleza padrão, mas sim algo que nos faça pensar, que nos traga coisas boas. Adoro fazer retratos e idealizar ensaios que façam as pessoas se reconhecerem, ao mesmo tempo de surpreenderem com o que são.

isa_entrega

foto: Isabella Diniz

Você tem um cuidado especial com as fotos no momento da entrega. De onde veio essa ideia?

A apresentação é muito importante. Se aquela pessoa te contratou, ela confiou em você e merece muito que tudo seja feito com muito carinho. A forma de entrega representa isso. E também acho muito divertido personalizar cada embalagem, entregar as fotos impressas e os álbuns.

 

Nos conte o caso de uma das suas fotos que foi publicada na revista Vogue Itália.

Na verdade não foi na revista em si. O site deles tem um espaço onde você pode criar um portfólio, mas há uma moderação. Você cria sua conta e manda as imagens que quiser, mas só as que são aprovadas pelos editores podem ficar expostas por lá e nesse caso foi isso. Fiquei muito feliz quando a primeira foto que mandei pra lá foi aprovada, você fica lado a lado de vários fotógrafos incríveis de todo o mundo.

isa_ensaio2

foto: Isabella Diniz

Você já trabalhou com projetos audiovisuais. Pretende investir nessa área ou continuar focando mais na fotografia?

Não tenho a mesma segurança que tenho na fotografia no audiovisual, a base é a mesma, mas os processos são diferentes. Já aprendi bastante, mas ainda tenho um longo caminho a percorrer. Penso em futuramente unir meu trabalho na fotografia ao vídeo e oferecer algo diferente, algo que tenha a ver com arte. Mas agora continuo mais focada na fotografia.

 

uma realidade diferente da nossa não necessariamente é melhor ou pior, é apenas diferente.

isa_criancas

foto: Isabella Diniz

Você está concluindo seu TCC este ano, que se trata de uma proposta fotográfica. Você pode falar um pouco sobre ele?

O projeto surgiu da vontade de retratar o cotidiano de moradores da zona rural e de mostrá-los como personagens principais da própria história. Eu viajei pelo interior da Paraíba para fotografar quinze moradores de sítios em suas atividades diárias e depois voltei a visitá-los para entregar as fotografias reveladas em tamanho 15×21 como forma de retribuição, os retratos que fiz durante a entrega dessas fotos é o resultado da série fotográfica. Ainda estou finalizando algumas coisas, mas todas as fotos estão em um tumblr com uma breve citação dita por cada um dos participantes. Mais do que documentar ou registrar um estilo de vida, o projeto tem intenção dar voz a pessoas anônimas e mostrar que uma realidade diferente da nossa não necessariamente é melhor ou pior, é apenas diferente.

Projeto fotográfico de Isabella Diniz

Projeto fotográfico de Isabella Diniz

O que você recomenda pra quem tá querendo começar nessa área agora?

Acreditar no que faz e ser persistente. Aprender as técnicas é o mais fácil, difícil é saber lidar com os “clientes” que elogiam seu trabalho, mas não querem pagar por ele, com as críticas e encontrar um espaço no mercado. É preciso se manter atualizado e saber o que se quer fazer, por que se não é muito fácil perder o foco desistir da profissão. E também estudar outras coisas além da fotografia em si, pesquisar um pouco sobre marketing, gestão de negócios, design…

 

Se você gostou do trabalho de Isabella Diniz, não deixe de visitar seu site: isabelladiniz.com

 

Comente